sexta-feira, 15 de maio de 2009

A BEBIDA EM DOIS TEMPOS

No passado:

Antes da difusão das técnicas de saneamento básico no Séc. IXX, a ingestão de bebidas alcoólicas não era apenas uma questão de diversão, mas de saúde. Toda água de beber corria risco de contaminação pelos dejetos, o que tornava o consumo perigoso e nojento. Doenças infecciosas, como diarréia, cólera, peste e tuberculose, espalhavam-se com enorme velocidade. Nesse mundo de água contaminada, o álcool era uma benção. Não demorou para que o homem descobrisse que o poder anti-séptico do álcool, assim como a acidez natural do vinho e da cerveja, matava muitos elementos perigosos presentes na água.
Já na Grécia antiga, Hipócrates, o pai da medicina, tratava a água como um risco e recomendava vinho como remédio. No Séc. XII, o governo inglês encomendou um regime de saúde para prestigiada Escola de Salerno, na Itália. Os estudiosos desaconselharam o consumo de água pura alegando que ela provocava desarranjos intestinais e dificultava a digestão. Recomendaram vinho, em especial branco suave.
Com a aprovação da medicina, a idade média foi provavelmente o tempo em que mais se bebia na história. Se beber sem motivo já é uma tentação imagina com receita médica. Para efeito de comparação, hoje o país que mais consome vinho per capta é Luxemburgo, com 60 litros por ano.
Durante o Séc. XIV, 90% das casas de Provence, no sul da França, tinham equipamentos d fabricação de vinho. Trabalhadores agrícolas de determinadas regiões da França recebiam 1,70 litro de vinho por dia, sem contar a jurrapa, bebida feita com o bagaço da uva, é utilizado na fabricação do vinho, que tinha um teor alcoólico pouco menor.como se vê, por muitos séculos, o estado mental de todo o Ocidente deve ter sido o de uma leve e constante embriaguez.



E no futuro:

1- A chegada do carro controlado e guiado por computador torna obsoletas as leis que proíbem beber ao volante, o consumo de álcool cresce de forma assustadora;
2- Uma multinacional compra o que resta das calotas polares, engarrafa e vende. Água polar torna-se a água mineral mais cara e chique no mercado;
3- A falta de água potável faz com que a população comece a tomar mais bebida alcoólica como na Idade Média para se proteger das doenças;
4- O suprimento da madeira fica tão pequeno que vinho é destilado deixam de ser destilados em barris. As bebidas passam a receber aromas e envelhecimentos produzidos em laboratórios.
5- O efeito estufa e o aquecimento global provocam mudanças radicais na ordem internacional: Goiás passa a produzir o melhor vinho do mundo;
6- Uma nova droga contra a ressaca é criada, mas os governos, receosos de uma gigantesca bebedeira mundial, banem a droga imediatamente e traficantes no Rio de Janeiro começam a vendê-las a preços extorsivos.



FRASES DOS FAMOSOS BEBUNS:



“Sempre faça sóbrio o que você prometeu bêbado. Isso vai lhe ensinar a ficar calado.” Ernest Hemmingway
“Beber sem estar com sede e fazer amor a qualquer momento, madame, são as únicas coisas que nos distinguem dos outros animais.” Beaumarchis
“Realidade é uma ilusão criada pela falta do álcool.” Anônimo
“Uma mulher me fez começar a beber, e nunca tive a oportunidade de agradecê-la.” W.C.Fields
“Sempre carregue uma garrafa de uísque em caso de picada de cobra e, além disso, sempre leve uma pequena cobra.” W.C.Fields
“Existem coisas melhores que o álcool, mas o álcool torna mais fácil não possuir nenhuma delas.” Terry Pratchett
“Sim, madame estou bêbado. Mas amanhã de manhã estarei sóbrio e você continuará feia.” Sis Winton Churchil
“Preciso pensar muito para conseguir me lembrar de um homem interessante que não beba.” Richard Burtou
“Ao álcool! A causa e a solução de todos os problemas da vida.” Homer Simpson
“Só é preciso um drinque para me deixar bêbado, mas não consigo me lembrar se é o 13º ou o 14º.” George Burns
“Um Martini é bom, dois são demais e três não são suficientes.” James thumber



Um abraço!



Victor Alexim

VIADO MUITO MACHO

Conhecida nacionalmente pelo petróleo extraído em suas costas, a cidade de Macaé, no litoral Fluminense, está se tornando famosa pela violência de suas mulheres, eis que de janeiro até ontem foram instaurados 27 inquéritos policiais contra mulheres, em que os maridos e os namorados figuram como vitimas. Tudo começou no mês de Janeiro, num bar à beiramar (sim, sou adepto a nova reforma ortográfica), quando uma esposa ciumenta deu uma garrafada na cabeça de seu marido e jogou um copo de chope no rosto de uma donzela que trajava o tradicional fiodental.
Segundo a agressora, estaria dando bola para seu marido.
Posteriormente a dona de casa Edna Costa Simões atacou seu marido, Roberto Azevedo Simões, com unhas e dentes, deixando-o com o corpo totalmente marcado, alegando na delegacia que “o canalha havia passado a noite com seus amigos, sem lhe pedir consentimento”.
Rosa Moraes matou seu marido, Hélio Moraes, com várias facadas e fugiu sem nada dizer. Duas namoradas entraram em luta corporal num bar, e uma delas quebrou a cabeça da outra com uma cadeirada. Na delegacia, a vitima alegou que sua namorada desconfiou que ela estivesse flertando com sua amiga. Ela simplesmente lhe disse que “mulher de amiga minha pra mim é homem”, tendo recebido uma tapa no rosto e, em seguida a luta corporal e a cadeirada.
Cabeça raspada de um lado, e oito pontos na cabeça, as duas saíram da delegacia de mãos dadas e foram para casa – a agressora cuidaria da vítima carinhosamente, prometendo ao delegado que nunca mais repetiria a cena.
Ouvi essa notícia no rádio do carro, e quando a carona que era uma prima de 12 anos, hoje com 13 perguntou o que significava a palavra “lésbica” eu prontamente respondi – “lésbica, é mulher que gosta de mulher, é o mesmo que sapatão, em outras palavras, um viado muito macho”.


Um abraço!!

Victor Alexim